terça-feira, 24 de outubro de 2017

Política pura e dura

Há pessoas que gostam de Marcelo Rebelo de Sousa por causa dos afectos e outras que o detestam por isso mesmo. Há quem não goste dele porque não faz o jogo da direita e outros porque deixou de fazer o da esquerda. Todos estes sentimentos são, contudo, irrelevantes. Estas ondas de afectos que, desde o início do mandato, marcam a atitude do PR são actos políticos e actos muito importantes. Haverá sempre quem diga que fazem parte da estratégia de reeleição. Por certo que sim, mas têm um papel central na democracia portuguesa. Cobrem um espaço político a que os partidos não chegam e que pode ser ocupado por um qualquer populismo que a desgraça traga. Marcelo põe dentro do regime aqueles que dele se foram perdendo. Ele é o pastor que não quer que nenhuma ovelha se tresmalhe. E este papel, reconheça-se, é fundamental para a saúde da democracia, ao tornar visível o que era invisível, obriga que os poderes eleitos tenham em consideração essa multidão de esquecidos que existe país fora. Isto é política pura e dura - uma boa política - e não efusão sentimental.

Sem comentários:

Enviar um comentário